Fracassos de consoles.

Consoles de fundo só para ilustrar mesmo rs

Enquanto você aí, caro leitor, se diverte com os seu Playstation 3, Xbox 360 ou até mesmo algum portátil bacanudo como o 3DS ou PSVita, obras-primas de grandes empresas de hoje, saiba que essas mesmas grandes empresas, responsáveis por seus video games favoritos fracassaram feio há algum tempo atrás. E algumas chegando a dar uma cagada colossal. Sim, estou olhando para você mesma, Nintendo.


Alguns desses consoles foram a causa de um fracasso tão grande que representam o fim de atividades relativas à produção do video game, ou em alguns casos, deixando a empresa em maus lençois, só angariando prejuízo atrás de prejuízo.

E para começar, vamos introduzir um video game que foi um sonho da minha infância por ser plataforma exclusiva de grandes jogos do Sonic, personagem o qual eu fui fã durante um bom tempo:

SEGA DREAMCAST


Com a chegada do novo milénio a tecnologia usada em video games aumentava, a Sega decidiu entrar no mercado com um console de 128 bits. Aí você pensa, para brigar com o Playstation 2, Xbox e Game Cube. Errado! O Dreamcast foi criado para passar por cima do Playstation e Nintendo 64, consoles de 32 e 64 bits, respectivamente, já que o Sega Saturn não aguentava mais o passo das concorrentes. 

Até aí já dá pra se ter uma ideia do motivo o qual o Dreamcast não permaneceu muito tempo vivo e fez a Sega arregar de vez do mercado de consoles e se dedicar totalmente ao desenvolvimento de jogos. Mas vamos à uma lista com as datas de lançamentos desses consoles que mencionei antes para mostrar o quão foi atrasada a decisão da Sega de colocar o Dreamcast no mercado.


Sony Playstation:

 Lançamento: 3 de dezembro de 1994 no Japão - 9 de setembro de 1995 nos Estados Unidos.

Nintendo 64:

 Lançamento 23 de junho de 1996 no Japão -  29 de Setembro de 1996 nos Estados Unidos.

Sega Dreamcast:

Lançamento: 27 de Novembro de 1998 no Japão - 9 de Setembro de 1998 no Estados Unidos.

Quase 4 anos antes do lançamento do Playstation e 2 anos depois do Nintendo 64 a Sega decide finalmente lançar o video game que iria destruir a concorrência.

Esgotaram-se todos as 150.000 unidades disponíveis no Japão no dia de lançamento, e nos Estados Unidos o sucesso chegou antes mesmo do dia de lançamento com pré-compras próximas à 300.000 unidades.  Foi um sucesso que não durou muito tempo (só as vendas iniciais mesmo, porque dalí em diante as vendas estagnaram). O Playstation 2 estava vindo por aí e quando o mesmo foi lançado, ninguém lembrava mais do pobre Dreamcast. A Sega fracassou mais uma vez.

A não ser para Bernie Stolar (que era presidente da Sega of America) e provavelmente mais algumas pessoas, que foram despedidas após a última cartada, o seu fracasso não lhe causou nenhuma dor de cabeça...

NINTENDO VIRTUAL BOY 


Em 1995 foi a vez da Nintendo colocar um console na lista de fracassos. Esse, que de tão ruim e mal planejado, causava dores de cabeças aos que o usavam durante um curto período de tempo.

O Virtual Boy foi lançado como sendo um console portátil, e hoje, com os vários exemplos que entraram e saíram e continuam a aparecer no mercado, podemos deduzir duas coisas: 1) que o conceito de portátil em 1995 havia mudado drásticamente e NÃO era mais um video game como o Game Boy e 2) sopão de cogumelo alucinógeno para toda a empresa em homenagem ao Mario e seu sucesso!

O console contava com duas pequenas telas monocromáticas posicionadas como um óculos e várias peças móveis de vidro compondo o sistema mecânico para produzir os efeitos 3D maravilhosos e em vermelho e preto do apocalipse de enxaqueca.

Dá câncer só de olhar.

A prórpia Nintendo aconselhava pausas de 15 a 30 minutos entre jogatinas para amenizar a dor de cabeça dos pobres coitados que gastavam seus US$ 179,95 com um console que não durou muito tempo. 

Dor de cabeça, somadas ao alto preço para um console tão simples, fizeram do Virtual Boy o maior fracasso da Nintendo até hoje. Antes fosse um fracasso que somente desse dor de cabeça ao pobre Gunpei Yokoi* (criador do Game Watch, e pasmem, do Game Boy), e não também ao consumidor.  

Foi um planejamento tão idiota que um ano mais tarde a Nintendo lança o Nintendo 64. Pra quê o Virtual Boy saiu do papel mesmo, ein?

 APPLE BANDAI PIPPIN

Foto errada foto errada foto errada.


Foto certa
Como qualquer nerd que gosta de jogos, você fica imaginando certas empresas de tecnologia investindo em outros produtos tais quais consoles, certo? Já imaginou o porquê da Apple nunca ter entrado nessa área? Pois bem, ela já investiu. 

Em 1995 (ano de Virtual Boy) nascia o Apple Bandai Pippin, uma aposta da Apple junto à japonesa Bandai para entrar no mercado de consoles. 

Com o mercado em guerra entre Sega Saturn, Playstation e Nintendo 64, o Apple Bandai Pippin foi só um adolescente que como quem está empolgado com a briga e sonha em entrar e fazer seu nome. Mas a briga era grande demais para o pequeno Pippin e ele recuou após olhar a porradaria que era. O sucesso ficou mais longe ainda com alguns problemas técnicos que já vinham de brinde da fábrica, somado ao alto preço do console: US$ 599.


Continuarei com mais alguns exemplos de fracasso em outro post, se não esse não sai no dia que foi planejado :) 


* Gunpei Yokoi foi demitido após o fracasso do Virtual Boy. Um ano mais tarde sofre um acidente de carro e morre.,

2 comentários

Clique aqui para comentários
5 de abril de 2013 08:03 ×

Cara, qual a graça de fazer um blog cheio de kibes? E não é uma referencia em outro blog ou algo assim, é uma cópia completa, sem modificar uma vírgula http://wrmasters.blogspot.com.br/2013/02/fracassos-de-consoles-parte-1.html

Balas
avatar
admin
5 de abril de 2013 08:58 ×

Brother se não gostou do blog nao entra mais, aqui eu faço uma coleta do que de melhor está rolando na blogosfera, pq tem muita porcaria ae.

Esse post eu me esqueci de citar a fonte, mas valeu pelo toque.

Dá próxima vez faz o seguinte clica em outro blog.

Balas
avatar
admin
Obrigado pelo seu comentário